Páginas

domingo, 30 de julho de 2017

Uma Sociedade Sem Verdade Ideológica !




         O Brasil tem uma falência de seu sistema político, este se tornou incapaz de criar conceitos, propostas, visões de mundo dos quais tenha a aprovação da sociedade brasileira. Ela está sendo governada por líderes que não representam o desejo democrático da população. As reformas estão sendo implementadas por uma elite política que atende apenas os interesses de uma elite econômica. O discurso político não traz em sua essência uma verdade que crie e modele uma ação ideológica por parte dos partidos políticos. Onde está a verdade?
“A verdade é deste mundo; ela é produzida nele graças a múltiplas coerções e nele produz efeitos regulamentados de poder. Cada sociedade tem seu regime de verdade, sua política geral de verdade: isto é, os tipos de discurso que ela acolhe e faz funcionar como verdadeiros; os mecanismos e as instâncias que permitem distinguir os enunciados verdadeiros dos falsos, a maneira como se sanciona uns e outros; as técnicas e os procedimentos que são valorizados para a obtenção da verdade; o estatuto daqueles que têm o encargo de dizer o que funciona como verdadeiro.” (FOUCAULT, 2015, p. 52)

         Qual é a verdade do mundo da sociedade brasileira? Em um poder que não tem legitimidade política para fazer reformas na sociedade. Sob este aspecto podemos entender que a sociedade brasileira está em um regime de mentira, e o que prova esta tese é a aversão da sociedade à política e seus representas eleitos. O discurso emitido por nossos líderes não são acolhidos pela sociedade e não funcionam como verdadeiros. Os mecanismos e instâncias que poderiam distinguir os enunciados verdadeiros dos falsos estão corrompidos, incapazes de influenciar e mobilizar o povo. Existe a carência de um líder, uma instituição política, democraticamente eleita, que tenha a capacidade de dizer o que funciona como verdadeiro. O Brasil está sem liderança democrática, não há ideologia a ser seguida, por falta de debate político.
“Em nossas sociedades, a economia política da verdade tem cinco características historicamente importantes: a verdade é centrada na forma do discurso científico e nas instituições que o produzem; está submetida a uma constante incitação econômica e política (necessidade de verdade tanto para a produção econômica, quanto para o poder político); é objeto, de várias formas, de uma imensa difusão e de um imenso consumo (circula nos aparelhos de educação ou de informação, cuja extensão no corpo social é relativamente grande, não obstante algumas limitações rigorosas); é produzida e transmitida sob o controle, não exclusivo, mas dominante, de alguns grandes aparelhos políticos ou econômicos (universidade, exército, escritura, meios de comunicação); enfim, é o objeto de debate político e de confronto social (as lutas ideológicas).” (FOUCAULT, 2015, p. 52)

         Qual é a economia política da verdade vigente no Brasil ? Existe um discurso científico e instituições que produzam verdades ? Como podemos realizar políticas públicas democráticas que venham a atender o interesse da sociedade ? Não há uma verdade para a produção econômica e o poder político vigente. As eleições previstas para o ano de 2018 representam a oportunidade de um debate político de confronto social, permeada por lutas ideológicas. O combate será pela verdade, ou em trono de uma verdade, uma visão de mundo que lidere os anseios da população brasileira. A legitimação de um poder constituído pela participação popular.
“O que faz com que o poder se mantenha e que seja aceito é simplesmente que ele não pesa só como uma força que diz não, mas que de fato ele permeia, produz coisas, induz ao prazer, forma saber, produz discurso. Deve-se considerá-lo como uma rede produtiva que atravessa todo o corpo social muito mais do que uma instância negativa que tem por função reprimir.” (FOUCAULT, 2015, p. 45)

         Referência:
         FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. – 3 ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.


Postar um comentário